Loading...

Grenal, ora!

Grenal, ora!

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Poes que pro entrevero das camisa dos taxistas, tenho a solução!
E vocês hão de dizer "como é que a Prefeitura não pensou nisso antes?"
Eu sugiro que metade ande de camisa azul e metade de camisa vermelha, ora! Poes que não são todos ou gremistas ou colorados? Tá aí a solução!
Tem mais: o índio velho pode, se gostar, encher o táxi de penduricalho do Grêmio ou do Inter, e até o passageiro poderá escolher se prefere ir em qual!
Mas bah!
Podem até fazer merchandising!
Oigalê!

quarta-feira, 26 de março de 2014

Para quem ainda não viu
DICAS DA FIFA PARA TURISTA QUE VISITARÁ O BRASIL
1 - Sim não significa sempre sim: é a entonação da voz que define se o sim é realmente um sim, ou um talvez. Por isso, "não espere o telefone tocar nos próximos cinco minutos" se um brasileiro dizer "te ligo na sequência".
2 - O tempo é flexível: não espere que o brasileiro seja pontual. "Se duas pessoas marcam de se encontrar às 12h30, elas vão se ver a partir das 12h45".
3 - Contato corporal: brasileiros não estão acostumados com o jeito dos europeus de se manter educadamente uma distância entre um e outro. Eles falam usando as mãos e não vão hesitar em tocar na pessoa com quem estão falando.
4 - Filas: Esperar pacientemente numa fila não está no DNA dos brasileiros, que preferem cultivar o caos.
5 - Sobrevivência das maiores: nas ruas, os pedestres são ignorados, e mesmo na faixa de pedestres, raramente um motorista vai parar.
6 - Controle-se: se você vai a um restaurante de churrasco em que você pode comer à vontade e quer imediatamente pegar o menu de carnes, lembre duas coisas: não comer pelo menos 12 horas antes da refeição e consumir em pequenas doses, pois a melhor carne é servida geralmente por último.
7 - Experimente açaí: dizem que tem os mesmos efeitos de uma bebida energética.
8 - Fazer topless: corpo nu e arte em um corpo feminino podem ser vistos no Carnaval, mas você não vai ver isso todos os dias no Brasil. Os biquínis no Brasil possuem menos tecido em relação aos da Europa, mas eles ainda são usados o tempo todo. Curtir a praia sem biquíni é proibido e pode resultar em multa.
9 - Sem espanhol: o idioma nacional é o português. Se você falar que Buenos Aires é a capital do Brasil você pode ser deportado.
10 - Tenha paciência: no Brasil, as coisas são feitas nos últimos minutos. Isso vale até para os estádios. E se tem uma coisa acima de todas que um turista deve se lembrar, é não perder a paciência e segurar os nervos. Uma atitude brasileira para resumir isso é: relaxa e aproveita.
É legal saber que os caras têm senso de humor. Eu vou assistir de camarote. Tenho certeza de que nunca me divertirei tanto.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

E por falar em Fóruns, que aconteceram e acontecem lá e cá, taí um texto bem esclarecedor about diferenças, sociedade de consumo, etc. Te puxa no inglês, índio velho!
The Logic of Stupid Poor People
We hates us some poor people. First, they insist on being poor when it is so easy to not be poor. They do things like buy expensive designer belts and $2500 luxury handbags. To be fair, this isn’t about Eroll Louis. His is a belief held by many people, including lots of black people, poor people, formerly poor people, etc. It is, I suspect, an honest expression of incredulity. If you are poor, why do you spend money on useless status symbols like handbags and belts and clothes and shoes and televisions and cars? One thing I’ve learned is that one person’s illogical belief is another person’s survival skill. And nothing is more logical than trying to survive. My family is a classic black American migration family. We have rural Southern roots, moved north and almost all have returned. I grew up watching my great-grandmother, and later my grandmother and mother, use our minimal resources to help other people make ends meet. We were those good poors, the kind who live mostly within our means. We had a little luck when a male relative got extra military pay when they came home a paraplegic or used the VA to buy a Jim Walter house (pdf). If you were really blessed when a relative died with a paid up insurance policy you might be gifted a lump sum to buy the land that Jim Walters used as collateral to secure your home lease. That’s how generational wealth happens where I’m from: lose a leg, a part of your spine, die right and maybe you can lease-to-own a modular home. We had a little of that kind of rural black wealth so we were often in a position to help folks less fortunate. But perhaps the greatest resource we had was a bit more education. We were big readers and we encouraged the girl children, especially, to go to some kind of college. Consequently, my grandmother and mother had a particular set of social resources that helped us navigate mostly white bureaucracies to our benefit. We could, as my grandfather would say, talk like white folks. We loaned that privilege out to folks a lot. I remember my mother taking a next door neighbor down to the social service agency. The elderly woman had been denied benefits to care for the granddaughter she was raising. The woman had been denied in the genteel bureaucratic way — lots of waiting, forms, and deadlines she could not quite navigate. I watched my mother put on her best Diana Ross “Mahogany” outfit: a camel colored cape with matching slacks and knee high boots. I was miffed, as only an only child could be, about sharing my mother’s time with the neighbor girl. I must have said something about why we had to do this. Vivian fixed me with a stare as she was slipping on her pearl earrings and told me that people who can do, must do. It took half a day but something about my mother’s performance of respectable black person — her Queen’s English, her Mahogany outfit, her straight bob and pearl earrings — got done what the elderly lady next door had not been able to get done in over a year. I learned, watching my mother, that there was a price we had to pay to signal to gatekeepers that we were worthy of engaging. It meant dressing well and speaking well. It might not work. It likely wouldn‘t work but on the off chance that it would, you had to try. It was unfair but, as Vivian also always said, “life isn’t fair little girl.” I internalized that lesson and I think it has worked out for me, if unevenly. A woman at Belk’s once refused to show me the Dooney and Burke purse I was interested in buying. Vivian once made a salesgirl cry after she ignored us in an empty store. I have walked away from many of hotly desired purchases, like the impractical off-white winter coat I desperately wanted, after some bigot at the counter insulted me and my mother. But, I have half a PhD and I support myself aping the white male privileged life of the mind. It’s a mixed bag. Of course, the trick is you can never know the counterfactual of your life. There is no evidence of access denied. Who knows what I was not granted for not enacting the right status behaviors or symbols at the right time for an agreeable authority? Respectability rewards are a crap-shoot but we do what we can within the limits of the constraints imposed by a complex set of structural and social interactions designed to limit access to status, wealth, and power. I do not know how much my mother spent on her camel colored cape or knee-high boots but I know that whatever she paid it returned in hard-to-measure dividends. How do you put a price on the double-take of a clerk at the welfare office who decides you might not be like those other trifling women in the waiting room and provides an extra bit of information about completing a form that you would not have known to ask about? What is the retail value of a school principal who defers a bit more to your child because your mother’s presentation of self signals that she might unleash the bureaucratic savvy of middle class parents to advocate for her child? I don’t know the price of these critical engagements with organizations and gatekeepers relative to our poverty when I was growing up. But, I am living proof of its investment yield. Why do poor people make stupid, illogical decisions to buy status symbols? For the same reason all but only the most wealthy buy status symbols, I suppose. We want to belong. And, not just for the psychic rewards, but belonging to one group at the right time can mean the difference between unemployment and employment, a good job as opposed to a bad job, housing or a shelter, and so on. Someone mentioned on twitter that poor people can be presentable with affordable options from Kmart. But the issue is not about being presentable. Presentable is the bare minimum of social civility. It means being clean, not smelling, wearing shirts and shoes for service and the like. Presentable as a sufficient condition for gainful, dignified work or successful social interactions is a privilege. It’s the aging white hippie who can cut the ponytail of his youthful rebellion and walk into senior management while aging black panthers can never completely outrun the effects of stigmatization against which they were courting a revolution. Presentable is relative and, like life, it ain’t fair. In contrast, “acceptable” is about gaining access to a limited set of rewards granted upon group membership. I cannot know exactly how often my presentation of acceptable has helped me but I have enough feedback to know it is not inconsequential. One manager at the apartment complex where I worked while in college told me, repeatedly, that she knew I was “Okay” because my little Nissan was clean. That I had worn a Jones of New York suit to the interview really sealed the deal. She could call the suit by name because she asked me about the label in the interview. Another hiring manager at my first professional job looked me up and down in the waiting room, cataloging my outfit, and later told me that she had decided I was too classy to be on the call center floor. I was hired as a trainer instead. The difference meant no shift work, greater prestige, better pay and a baseline salary for all my future employment. I have about a half dozen other stories like this. What is remarkable is not that this happened. There is empirical evidence that women and people of color are judged by appearances differently and more harshly than are white men. What is remarkable is that these gatekeepers told me the story. They wanted me to know how I had properly signaled that I was not a typical black or a typical woman, two identities that in combination are almost always conflated with being poor. I sat in on an interview for a new administrative assistant once. My regional vice president was doing the hiring. A long line of mostly black and brown women applied because we were a cosmetology school. Trade schools at the margins of skilled labor in a gendered field are necessarily classed and raced. I found one candidate particularly charming. She was trying to get out of a salon because 10 hours on her feet cutting hair would average out to an hourly rate below minimum wage. A desk job with 40 set hours and medical benefits represented mobility for her. When she left my VP turned to me and said, “did you see that tank top she had on under her blouse?! OMG, you wear a silk shell, not a tank top!” Both of the women were black. The VP had constructed her job as senior management. She drove a brand new BMW because she, “should treat herself” and liked to tell us that ours was an image business. A girl wearing a cotton tank top as a shell was incompatible with BMW-driving VPs in the image business. Gatekeeping is a complex job of managing boundaries that do not just define others but that also define ourselves. Status symbols — silk shells, designer shoes, luxury handbags — become keys to unlock these gates. If I need a job that will save my lower back and move my baby from medicaid to an HMO, how much should I spend signaling to people like my former VP that I will not compromise her status by opening the door to me? That candidate maybe could not afford a proper shell. I will never know. But I do know that had she gone hungry for two days to pay for it or missed wages for a trip to the store to buy it, she may have been rewarded a job that could have lifted her above minimum wage. Shells aren’t designer handbags, perhaps. But a cosmetology school in a strip mall isn’t a job at Bank of America, either. At the heart of these incredulous statements about the poor decisions poor people make is a belief that we would never be like them. We would know better. We would know to save our money, eschew status symbols, cut coupons, practice puritanical sacrifice to amass a million dollars. There is a regular news story of a lunch lady who, unbeknownst to all who knew her, died rich and leaves it all to a cat or a charity or some such. Books about the modest lives of the rich like to tell us how they drive Buicks instead of BMWs. What we forget, if we ever know, is that what we know now about status and wealth creation and sacrifice are predicated on who we are, i.e. not poor. If you change the conditions of your not-poor status, you change everything you know as a result of being a not-poor. You have no idea what you would do if you were poor until you are poor. And not intermittently poor or formerly not-poor, but born poor, expected to be poor and treated by bureaucracies, gatekeepers and well-meaning respectability authorities as inherently poor. Then, and only then, will you understand the relative value of a ridiculous status symbol to someone who intuits that they cannot afford to not have it.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Verão em Porto Alegre

Esse post vem lá do blog Quanto Mais Verde Melhor (tô de férias, tchê loco, só fico copiando as cosa).

Carma? Voodoo do teu ex, tua ex? masoquista de carteirinha? promessa para entrar no bbb? duro/a como pau de seminarista?

Caaaalma!!!

Vamos te dar aquela força.

Em primeiro lugar veja se não tem MESMO como fugir(no interior, sempre tem a casa daquela tia, daquele amigo que você não vê desde que terminaram a oitava série, e até daquele candidato que você detesta - eleições vêm aí).

Ar condicionado? só não uso porque, pelo que sei, se todo mundo usar, o futuro será mais quente. Sem contar que o ar fresco do Menino Deus, Três Fiqueiras e Moinhos de Vento, é a falta de água desde o Natal na Lomba do Pinheiro.

Segundo: avaliou todas as possibilidades? prostituição no exterior, venda de órgãos... (há uma cláusula na Constituição e outra na Bíblia pra quem já passou por isso. Perdão forever).

Nada?...

Lamento.

Então...

1 - não fale JAMAIS as palavras calorão, sauna, caldeira fervente, 45 graus...

2 - não olhe para o fogo, esqueça o forno, evite até o micro-ondas (tudo pode trazer lembranças).

3 - lembre-se: a geladeira e o ventilador são seus melhores amigos. Mude-se para a primeira, levando junto o segundo.

4 - assista na tv apenas aqueles canais que mostram pessoas esquiando na neve, se divertindo na neve e, porque não, soterradas na neve.

5 - a sua alimentação deverá se basear em gelo, gelo e... gelo.

6 - tá... às vezes uma gelatina.

7 - desnecessário dizer que deverá se tornar um/uma eremita; não aguenta nem o próprio calor, imagina outro corpo sudorando e bafejando a seu lado.

8 - acabe de vez com qualquer resquício moralista; seus vizinhos o conhecerão em detalhes até o fim da estação.

9 - mande cartas ameaçadoras para jornais e telejornais que insistem em repetir sandices como "dias ensolarados", com risinhos sádicos...

mais sugestões... envie cartas para a redação/

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Afinal, Natal

Esse texto vem do blog A Mágica de Oz.
Esse ano, não sei se por conta de O Herói de Mil Faces, do Campbell, que me faz pensar muito a respeito da essência divina, que é o Mito, ou vice-versa, enveredei pelo Budismo. E com isso, a gente vê essas entrevistas com pessoas que fazem o Bem, espiritualistas, gente que aconselha, o diabo a quatro (que não seria exatamente o diabo, nesse caso) de forma bem diferente. Na verdade, quase que não sobra muita coisa. E juntando a isso o meu lado punk, quase que não sobra nada. É como se eu tivesse perdido a graça de tudo, e ainda uma puta dor na coluna-bacia por uma faxina afu de Natal, e vou levando. Metendo luzinha aqui, decoração ali, exercitando como sempre o meu senso estético e a mania da decoração. E ouvindo muita música, pois sempre que começo tudo é com a Música. Baixei 300 e selecionei umas 25, aquelas coisas que não perdem o sentido e não enchem o saco: Frank Sinatra, Rosemary Clooney (a tia do George),e tudo o que é dos anos 50: clean, ninguém precisa cantar aos berros como essa nova insuportável safra de "voices". Então, durante um tempo ficou só o som. E aqueles presentinhos, coisinhas, lembranças de telefonar, etc, o básico. Mas eu durona na parte de dentro. Então sem forçar nada, entendi. O Natal é o contato com o sagrado. Até o simples banho tem a mesma vibração de um puta banho de mar. O barulho do ventilador combinado com a brisa nos sinos da felicidade e com alguns passarinhos parece querer me dizer alguma coisa. Até me rendi por momentos ao jogo das luzinhas que os chineses souberam fazer de modo admirável, honorável, e ao perfume do incenso e a mais alguma coisa que agora esqueci, mas não por efeito da mesma. Então é isso. O Natal é o sagrado. É perceber que a vida, enfim, tudo, faz sentido. Mesmo sem fazer. É o sentido do renascimento, de que a Vida renasce queiramos ou não. Desconfio de quando uma pessoa fala Deus isso, Deus aquilo. Me ajudará, me trará, acredito nEle, etc. Então Deus é um puta quebra-galho, uma espécie de SUS ou de Instituto de Previdência que tá sempre em algum lugar (diferente dos exemplos), para nos obsequiar? Quando escuto isso, penso no que essa pessoa está fazendo para retribuir, ou - e aí entra de novo o tal Budismo - para refazer essa energia. A pessoa devolve a Bondade que recebe? Ela ajuda a criar essa força tarefa gigantesca oferecendo amor? Ou apenas vai tirando? Não consigo entender Deus sem entender a Energia. É como se a energia do amor criasse vida, e a energia do cansaço, má vontade, etc, criasse a morte. E esse seria o Mal. Daí que quando juntam pretensos médicos, cientistas, para uma entrevista, ou apenas quando os vejo torcer a boca para "essas coisas", entendo que ninguém mesmo, com o mínimo de neurônios, conseguiria como eles dizem "acreditar" em semelhante baboseira. Num reino transcendental à imagem e semelhança de um bom resort mediterrâneo. Na verdade, a imaginação dessa gente é tanta, que nem consigo visualizar o que eles provavelmente imaginam sem ficar com a sensação de estar sendo falsa. Me irritam igualmente todos os pretensos desejadores do Bem, pois eles não sabem o que é isto. Fico imaginando aquele cara que mora numa casinha com teto de zinco que tem que dar um tempo em algum lugar fresco, que nem sempre tem nas vilas, antes de voltar a ser cozido na sua casa. O que ele diria de gente que come nozes no Natal? E, sem querer (ser fdp), volto à questão espiritual, penso que o que hoje mora em casa de teto de zinco provavelmente foi o cretino que em outra ocasião fez alguma. Não é fácil ser eu, sei. E como não sei mais o que dizer, digo descubra. Te dá uma chance de duvidar. E entender. E sei lá. Ah, vai comer o que sobrou da ceia e não enche o saco.

domingo, 23 de junho de 2013




 "Acho que eu ficaria mais ofendido se os jornais nos chamassem de romanos. Os romanos são eles."
                                                                   um vândalo

    

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Depois de tanta dor nesse Rio Grande... que foi lavada felizmente pelo Carnaval dos cariocas... e dos portoalegrenses... Vinícius na Sapucaí... Se você quer ser o meu namorado... mas que lindo namorado você poderia ser... Oh, saudade desse Rio que eu amo...

Vai aqui uma versão da Ella Fitzgerald para Garota de Ipanema
For the hansome I knew last...

  The boy from Ipanema

Tall and thin and young and hansome
The boy from Ipanema
Goes walking
When he passes
Each girl  he passes goes... oah!...

When he walked slight he samba so swing so cool so swing so gently
When he passes
Each girl he passes goes oah!...

Oh, how I watch him so sadly
How can I tell him I love him
Oh, but I love him so madly
When he goes by a stroll by the sea
He looks straight at the head,
Not me

Tall and...

I smile but he doesn't see...








terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Pessoas

Dizer o quê. Pra começar, vontade de oferecer algum tipo de consolo pró-ativo, tipo: provavelmente pela qualidade das pessoas, esse grupo foi chamado para a realização de alguma missão divina muito importante. Talvez o planeta precisasse. Mas para isso, seria necessário no mínimo que os que ficaram também acreditassem que o plano astral é até melhor do que este. Embora eu ame a Terra. Embora nem queira pensar num horror desses por perto.
Mas o que vejo é o Ser Humano ora extremamente auto-protetivo, se cercando de toda a segurança possível, deixando até de viver livremente e... por outro lado, não sei se uma certa saudade da selva naquele come-come-louco e salve-se quem puder diário, se arriscando a cada segundo.
Inalação de gases tóxicos, por exemplo. É bom nesse momento a gente aproveitar e entender de vez que o cigarro é assim, só que devagarinho, a crédito.

Música sertaneja e axé vanerão ou o que quer que seja esse tipo de horror, pra ser degustida parece precisar de fogos ou qualquer coisa, de tão ruim.
É um perigo por segundo, essa vida.
Até assistir ao bbb pode(?) comprometer algum neurônio.

Salto alto, que dificulta tudo, shortinho e tantas coisas que levam a vidas e situações tão medíocres. Carros com potência de pôr a correr gambás, sabiás, coelhos, cachorros... pra quê?

Tudo é pra que o ser humano se exiba no ter. Em volta da minha casa, cercas eletrônicas que chegam a formar filas. Pra defender o patrimônio. Pra matar gatinhos bobos.
Até que mate uma criança.
Se bem que se matar meu gato, vou sentir como se fosse.

Porque Joelma, Andraus, Renner, edifícios desse Brasil não têm aquelas escadas pelo lado de fora como Nova York? Vão dizer que é por causa dos ladrões.
Pois é, ladrões que vêm roubar o excesso de propriedades.
Porque ninguém precisa de tanto luxo, tanta ganância. A gente precisa de vida, de literatura, de cinema, de dança, que também pode ter um custo. Mas se este fosse o custo apenas, tava de bom tamanho. Pois a arte serve pra crescer, por dentro. E não pra aparecer.

E tem as cirurgias plásticas, algumas até bem vindas, outras, um exagêro. Se matar pra ficar com bunda grande e coxas de Garrincha?
Será que essa pessoa acredita tão pouco na sua capacidade de ser amada?

E assim a lista pode ir aumentando.
Tudo isso me deixa num desespero tremendo, pois jovens e crianças, além dos bichos, são o meu ponto fraco.
Crianças e jovens até crescerem e virarem mais uns babacas que poderão colocar a vaidade e a ganância, o ter, a exibição, na frente de tudo.

Sem querer apelar para humor terror, não vejo muita saída nesse país. Agora com todo esse incentivo ao consumo, ao carro, às telas de tv gigantescas, e nada ao livro, à boa música. Porque aqui, sem aqueles séculos e aquelas leis que nos diferenciam dos países mais evoluídos, o capitalismo fez um berço tão feio e macabro como a Cromagnon ou a Kiss pós-festa.

E muito me engano, ou não sei se o famoso "queremos justiça" vai adiantar alguma coisa, enquanto cada um de nós tiver a cabeça dos donos desses estabelecimentos, conforme o tema seja de nosso interesse ou não.

Antes de mudanças em leis, prisões de culpados, ou até depois mesmo, a ordem não altera nada, é bom que a gente mude alguma coisa em relação a esse valores que temos e que em conjunto acaba criando a sociedade que vivemos. E na qual queremos que VIVAM nossos descendentes.

Então, se forem formar alguma associação, quem sabe, que formem uma para que o Ser Humano se questione um pouco.

Senão, o que nos restará, sempre, será o velho e bom schadenfreude. Que para quem não sabe, significa a junção de duas palavras: prazer e dor. Prazer na dor alheia. Algo que garante que a nossa vida(?) pelo menos é, está, melhor do que a dos desgraçados da hora, seja lá a catástofre que for, e que libera uma quantidade considerável de dopamina. E, desnecessário dizer, usado e abusado pela imprensa preguiçosa, sensacionalista e inútil de todos os dias, pois garante sempre a audiência.
Em tempo, até agora, fora as escorregadas diárias e previsíveis de alguns programas, aplaudo o trabalho feito pela mídia de todo o país, com excelentes entrevistas elucidatórias e cobrantes.

E mais: há poucos dias, um desses laboratórios quase museu, que guarda uma considerável quantidade de espécies de animais foi incendiado (de novo), muitos morreram. Alguém se importou? Alguém se importa com os animais torturados em laboratórios de testes diariamente? Alguém se importa com as árvores que tombam diariamente pela ganância na nossa Amazônia? Não, porque árvores não falam, não gemem, não têm parentes que vão para as ruas.
O que quero dizer é: TUDO É PLANETA, TUDO É VIDA. Com o nosso descaso, porque não foi diretamente aqui que a coisa aconteceu, leia-se comigo, a gente parece que vai levando. E, na vida, tudo é lei de retorno. Sou filha e mãe desse planeta.







































quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Tatata se foi!
   Pra ouvir com Amália Rodrigues aí ao lado...

   Quando voltei do exílio, e retomei as aulas de dança que fazia (não só as que dava), e tendo ido direto para o grupo de Marina Fedossejeva, o melhor na época, aonde todo mundo estava, de papo com a grande Miriam Toigo - a nossa prima ballerina, que depois viveu anos em Moscou e morreu em Nova York -, ouvi da própria, a existência de Tatata: "um anti-colunista social". Criador intelectual do Encouraçado Boutikin, entre tantas.
   Anos, muitos, depois, quando ele pegou o Gente da Noite na TVCom, saímos numa noite de Halloween, ou seria noitada, para uma grande matéria. Pois coincidência ou não, esses dias, há quase duas semanas, revirando as fitas de vhs que mandei virar para dvd, e escolhendo as que poria no Youtube, me aparece essa, desse dia. Uma das melhores. Uma "entrevista", na qual ele mistura conhecimentos de temas astrológicos e wiccanianos com muita gozação em cima de casais do vá lá jetset portoalegrense, com a minha cumplicidade (e irreverência, óbvio). Mas daquele jeito dele, que sabia ofender fazendo a pessoa acreditar que estava sendo elogiada. E vice versa. Pra mestres.
   Tatata era Ariano, de signo of course. E se na Astrologia tem uma máxima que é a de viver a total plenitude de seu signo solar, de realizar essa tarefa aqui na Terra, Tatata sem dúvida tirou 10! Com louvores.
   Ele, sem ser meu amigo do peito, era da mesma tchurma. Da tchurma do Fogo, dos que têm a missão de transformar a vida comum numa experiência mágica, com ou sem sacrifício pessoal. Do tipo que perde o amigo mas jamais o dito espirituoso, porque convenhamos, amigo que se perde por tão pouco nem merecia sê-lo.
  Quando ouvi ontem na madrugada que ele tinha partido, fiquei meio paralizada. Mais um que vou sentir uma puta falta, e que pouco tempo tive para usufruir. Como por exemplo também a Nêga Lú (que quanto lastimo não ter tido mais tempo para me sentar naquela mesa de bar e perder um pouco de tempo numa tarde de verão no Menino Deus).
  Hoje pensei mil vezes se atropelava algum compromisso e ia lá no cemitério. Mas também cogitei: cemitério, caramba! nem ele merecia isso! Porque é que não foi cremado? Do Fogo ao Fogo retorna, esses tipo nós.
  Era coisa de se empiriquitar toda, a la Audrey Hepburn, com algum traje chiquérrimo e óculos pretos e entrar com uma banda, marcha de carnaval, Mozart, vá lá, mas jamais caras de seriedade e nunca, NEVER, NEVER! de dor ou tristeza. A não ser a daqueles familiares bem próximos. E mesmo assim...
   A coisa mais legal que ouvi, acho que do Claudinho Pereira, foi que quando ele se der conta vai levar um baita susto.
   Talvez seja daquelas pessoas que não seja chorada, acho que Quintana foi assim, mas que se fica com uma baita saudade.
   Não, não fui no cemitério, e agora quando voltei, botei a tocar a Amália Rodrigues, e aí o choro achou o seu caminho. Porque ele era toda essa herança, seja portuguesa, européia, esse deboche permanente. O deboche levado a sério. De novo: para poucos.
   Se esse ano eu senti muito porque a cidade perdeu a sua vida noturna, tendo sido a Cidade Baixa proscrita, agora vou sentir mais ainda: sem Tatata, a alegria, que já é tão pouca com esse povo tão sem graça, sêco, caretésimo, conservador ao cubo, vai ficar ainda menor. São raríssimas as pessoas que mantêm a alegria, aquela que vem de dentro e jorra naturalmente para fora, em dia. A maioria ou corta qualquer barato ou tá sempre com a cabeça em novelas, em brabezas, empenhado numa virulência que nem sei de onde sai tanta. Poxa, que falta eu sinto desses amigos!
   Poxa Tatata, que falta tu vai fazer pra essa cidade!!!, cara.

  ps - quanto ao vídeo, assim que o entrave técnico for sanado, vai pro youtube.










































quinta-feira, 20 de setembro de 2012


  Desfile Farroupilha II
  (o I está mais abaixo)


    E nem vou repetir tudo, embora tudo tenha se repetido. Pra pior.
    Ontem, 19 de setembro, o Conversas Cruzadas (programa de TV pra quem é não daqui), outra vez debateu o Movimento Farroupilha: o que tem a ver conosco, qual a sua importância, se deixa ou não o povo mais sei lá o quê, e blá blá blá, blá blá blá.
    E, como sempre, como é costume nessas bandas, mais do que debater, os convidados (e telespectadores que se prestam a mandar textos) se dividem e polarizam a questão. Porque aqui, como em lugar nenhum, a verdade tem apenas dois lados. Sempre, seja ela qual for. Aliás, a produção insiste nisso. E nem é preciso dizer o quanto se perde. Arejar com novas idéias, pra quê.

   Mas eu insisto. Como não fui convidada, nunca sou pois não represento nenhuma entidade de peso nem sou ligada a qualquer movimento, e ainda por cima sou mulher, coisa que pesa naquele programa, e artista sobretudo, com idéias que, bem... sabe-se lá o que essa pessoa vai dizer, bem, pra isso tenho esse blog. Pra isso os caras que criaram a internet imaginaram que a coisa serviria. E a palavra ainda é de-mo-cra-cia.
  Embora tenha certeza de que meus pensamentos só serão lidos depois que eu morrer, ou se ficar muito famosa, ou sei lá. Ou não. Mas falo.

  Quanto à pergunta do programa: o que é que o Movimento Farroupilha desperta em nossa identidade, se contribui ou não para ela, e algo por aí - desculpe a imprecisão, mas afinal já se passaram 24hs e é exigir demais de uma cabeça moderna que já viu e ouviu tanto de lá para cá -, enquanto via o programa - e não de todo, pois temos a mania nós modernos de zapear, e levantar, e fazer outras coisas -, lembrava de algumas coisas que andei lendo nos últimos tempos sobre esses tempos chamados, precisamente, de pós-modernos.

  Mas antes, é bom sempre lembrar que, quando se pensa em TRADIÇÃO, justamente se conjura o seu oposto, a MODERNIDADE. E, só pra me contrariar, voltamos outra vez à tal da dualidade.
  Há no ser humano, desde o seu nascimento, duas correntes em luta eterna: a vontade de regressar ao passado - pois lá ele estava numa boa, naquele útero quentinho, confortável e protetor, e é isso que ele inconscientemente busca - e o desejo de se desidentificar do todo e dedicar-se ao desenvolvimento da própria identidade. Na Astrologia e para os povos pré-cristãos ambos impulsos são simbolizados pela Lua e pelo Sol. Para os orientais, os famosos Yin e Yang. Impulsos tão naturais e indissolúveis quanto a noite e o dia.
   Na medida em que o ser humano se afasta do conforto e da segurança dos valores familiares, tradicionais, ele sente culpa. E essa culpa é bíblica, é aquela de Adão e Eva. Pagamos um preço por sairmos do Paraíso. Em compensação...

  E seja porque acreditou em si o suficiente para evoluir racionalmente, desenvolvendo uma tecnologia extremamente sofisticada, seja porque continua sendo a mesma besta fera que assassina e tortura, e coloca os seus interesses pessoais à frente do bem estar coletivo, o ser humano, gaúcho ou não, acabou fazendo desse planeta um inferno, para não sair do contexto bíblico.

  Pois dizem bons mestres da sociologia que por conta de tantos avanços tecnológicos e pela vida nas grandes metrópoles, todos, acabamos atualmente sofrendo de um mal muito pitoresco, que é a tal da Super-Escolha. Em vez de pegarmos na prateleira do super mercado, por exemplo, uma simples pasta de dentes, somos obrigados a pensar muito sobre qual tipo da pasta será mais benéfica para os nossos dentes. E nem é bom falar em xampu. E muito menos nas opções de "ligue se..." que tem justificado muito ataque homicida até agora.

  Quando fazemos umas dez escolhas dessas por dia, e em geral fazemos mais muitas vezes, nosso sistema nervoso se sobrecarrega. Até as crianças já sofrem de uma série de doenças raras e modernas.
  E é exatamente para voltarmos a alguma zona de conforto, que precisamos fugir da pressão da escolha, ou da super escolha e... pelo menos ter alguém que possa escolher por nós.

  E como ter "alguém que escolha por nós" caiu em desuso, parecendo coisa de atitude servil e anti-democrática, elegemos "ó divina solução!" um grupo, que não apenas escolhe, como faz tudo parecer já pré-determinado, tipo as coisas devem ser exatamente assim. É um colegiado, uma assembléia, não um só indivíduo que decide o que posso ou não fazer.

 Então, hoje em dia, as pessoas assistem em massa a novelas para ter com quem comentar no dia seguinte, vão a estádios - cada vez menos para ver e torcer pelo esporte e cada vez mais para se pegar a pau na saída do jogo - usando símbolos reconhecidos que lhes garantem muitos "irmãos", são punks, emos, fãs do Elvis (este grupo ainda ganha fácil da população de pequenos países e até de algumas religiões). E fazem parte do Movimento da Semana Farroupilha sem nem saber mesmo o que foi a tal Revolução Farroupilha, se comemoram sua vitória ou derrota, se a cidade aqui era imperialista ou o quê. Querem é se pilchar e sair lindas a desfilar, se encharcando de gordura de carne e ouvindo músicas que no seu dia a dia de Michel Teló e Ivete Sangalo não encontram espaço.

  Ser gaúcho, entre os dias 8 (porque até o 7 se comemora fazer parte do império) e 23 (mais estendido para pegar o feriadão) de setembro nos dá uma sensação de que, pelo menos agora, fazemos parte de algo. Na nossa cabeça, uma tremenda paz de espírito.

  Até a próxima data. Pena que dessa vez, no meio, tenhamos que sair dessa paz e escolhermos um candidato.
  Mas logo virá o Natal, e outra vez, em meio a velas, decorações, festas e presentes, e o inferno das festas em família, encontraremos a nossa turma, agora a dos católicos.
  Fugindo assim da super-escolha, por toda a carga que o sistema sem dó nem piedade joga sobre os nossos ombros, deixamos de fazer talvez a mais importante e definitiva: quem sou eu e o que quero da minha vida. Porque se entendêssemos realmente esta, as outras ficariam, senão mais fáceis, pelo menos re ou i-relevantes.

  E sobre o Desfile propriamente dito, não sei se rio ou choro, ao ver que "o melhor momento", o mais aguardado, o tão sonhado por quem desfila, seja justamente aquele em que ele levanta a mãozinha para o governador, ou autoridade, que está assistindo de camarote.
  Mas... e se estão comemorando a tal Revolução..., não era pra fazerem outra coisa? Não digo atacá-lo com chumbo, mas pelo menos uma boa cuspida, uma cagada do cavalo, qualquer coisa simples assim. Pelo menos pra comemorar a data à altura. Acho que indiada ia adorar.

   
 
















terça-feira, 7 de agosto de 2012

clica aí ao lado, no meu vídeo, bagual! que me verás linda no más!
Oigalê!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Salve nossa Presidente Dilma Roussef!!!
Oigalê!
leia mais no Do Paredón ao Paredão

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Atenção: quem estiver em Porto Alegre vá ao brique nesse domingo 17 - 10 hs (se ligue hor. de verão) para defender o Morro de Santa Teresa!!! um local sagrado para a flora e para a fauna, para os nossos amados papagaios que voam felizes no mesmo horário das crianças. Vão para alguma escola bem cedinho e voltam fazendo alarido quando as crianças estão voltando também. Alaridos em cima e embaixo, festa geral. E os cachorros latem para não ficar de fora. O Morro é NOSSO!!!! é do povo, tem que virar Parque protegido e não apartamentos de luxo para meia dúzia, como quer o atual governo.
Vá lá! Junte-se a todos nesse movimento que creio será um dos maiores que a cidade já viu. O capitalismo está avançando como nunca, e a gente não pode ficar de braços cruzados vendo o mundo se acabar. Povo das cidades periféricas: venham também. O verde é nosso!
ASSINE O MANIFESTO - entre Google Defesa Morro de Sta Teresa mesmo que você não seja daqui. Quem for ao brique nos domingos, pode assinar lá também.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Aí povo gaúcho: se não tem candidato, vá de legenda: 43 ou 50! O candidato a governador do PV é um luxo, foi o melhor do debate da RBS, disparado. E o Plínio... me lembra a dignidade do Briza! Tô aqui aplaudindo a cada intervenção.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Desfile Farroupilha


Como eu vivo reclamando que aqui o show não é business, até que fiquei de certa forma otimista quando vi no ano passado essa nova idéia de desfile, uma coisa meio vanerãobódromo. Casualmente no mesmo lugar em que implicaram com o desfile do carnaval, mandando os negros lá pra Zona Norte. E pelas mesmas razões. Desfiles ali naquela área prejudica a natureza.
Mas enfim... vi ali empregos para muitos bailarinos, coreógrafos, atores, a coisa poderia andar. Embora sempre duvide da inteligência do poder público em fazer chover grana para artistas aqui por estas terras. Que não acreditam em arte, cultura, turismo, etc.
O amor durou pouco. Nesse ano, assim que liguei a tv (adiantaram o desfile em um dia, descobri por acaso, naquelas de zapear), e:
????!!!!!!!Um cara pega uma pobre ovelha de olhar assustado, apavorado e tira a sua lã! O bicho meio que escorregava e o cara a pegava de um jeito brusco. Desliguei na hora.
Não sei como funciona esse negócio de tirar lã, não sei quem hoje em dia ainda usa lã com tanto material sintético, e tanta alergia à lã, não sei e não quero saber.
Mas em plena época em que se discute as touradas na Catalunha, e pelo mundo, em que precisamos mais do que nunca dar exemplos de bondade e respeito ao meio ambiente aos nossos jovens e crianças para que a hecatombe não dispare mais ainda... em que tantos artistas andam por aí desempregados, me digam de quem foi a desgraçada idéia de achar que isso é espetáculo?...
O pior é que vi que deve ser moda, em alguns caminhões de desfiles em outras cidades lá pelas tantas aparecia alguém fazendo o mesmo.
Tô pouco me lixando pra toda essa coisa dos Farrapos. Pois são os mesmos latifundiários de sempre - desse tempo e daquele - que comandam o povo, que adora ir atrás de lindas palavras de ordem como igualdade e liberdade. Vi declamadores exaltados com "lutaram para defender a igualdade que temos agora"(???quem cara pálida?) e gente de olhos brilhantes concordando. Que Revolução? meteram os negros a levar chumbo, tavam se lixando pra qualquer coisa que significasse mesmo um passo à frente nos costumes, como a própria escravatura, as mulheres, que continuavam pobres coitadas, os pobres que decerto eram recrutados na marra, tanto por um lado quanto pelo outro, uma insurreição de iguais, que eram incompetentes pra lutar pelo mercado como os argentinos, enfim... que nem se multiplicava em outras rebeliões, como no Norte, e muito menos trazia valores libertários como as ocorridas no Norte mais ao Norte.
Mas tirar a lã da ovelha... que espetáculo dantesco, repugante. Sem contar as centenas de animais mortos, milhares talvez, para o sanguinolento cardápio da população que mais fica obesa no Brasil, a que mais tem depressão e que morre de câncer de mama. Ôigale!
Afinal, o que é mesmo ser gaúcho?
E olha que quase me esqueço daqueles pelo menos três tiros que foram disparados em cima (e não acertaram, felizmente) do gaúcho gay que se veio pronto para desfilar de bombacha cor de rosa.

Sinceridade?... Em plena Era da Televisão, com o Carnaval dando o lucro que dá, faz de conta por faz de conta...
Quem é que iria reclamar de sair, não digo rebolando de teta de fora em cima de carro alegórico ou gaúcho de sunguinha todo prateado, mas numa boa chimarrita, até já fizeram os carros, numa produção de primeira, com tvs mandando a festa para todo o Brasil, e mundo, turistas invadindo por uma semana a cidade, empregos para bailarinos, e até para roteiristas, pois não precisamos ficar contando essa mentira bôba de uma coisa meia boca que nem aconteceu, podemos criar boas histórias, mostrar as nossas lendas, enfim valorizar cada artista em cada área, e aí sim a nossa cultura, a nossa capacidade de produzir boa cultura, aí quem sabe, e com muita humildade depois de aprender com quem sabe fazer o show, pudéssemos até nos orgulhar de ser gaúchos.
Poderiam ter alguns próceres cavalgando aqui e ali, pitadas de realidade, e eles ajudariam nos patrocínios para aparecer, claro.
Também dispensaria brigadianos e outros que tais, que já têm o sete de setembro para aparecer.
Não dispensaria ongs, escolas, associações, todos que fazem parte de um Rio Grande bonito. Até incluiria os seus trabalhos, costureiras do Morro da Cruz, em cenários, o pessoal das escolas de samba, emprego o ano inteiro, figurinos, profissionais...
Mas aquela quantidade de produtores rurais amadores não mandariam mais, infelizmente pra eles, no desfile.
Incluiria talvez, de vez em quando, um que outro grupo que tenha lutado contra imperialismo e impérios, ditaduras... que também fica a sugestão: o povo da resistência heróica contra a ditadura tem que sair no sete de setembro.
Tudo pra dar um toque de fidelidade e realismo e heroísmo. Ôigale!
Disneylândia por Disneylândia, ficção por ficção, prefiro a mais artística.
Fico tentadíssima a levar adiante um projeto como esse.
Não me chamem que eu vou.

domingo, 16 de maio de 2010

ASTROLOGIA DO CUSCO*
dedicado ao Branco, ao Bobinho, ao Bartô (Bartolomeu Guimarães) e ao Zeus. Podem mandar aí nomes e fotos que vou publicando (vale papagaio, coelho, tigre, o animalzinho de estimação que tiverem).

ÁRIES – late prá todo mundo e adora comprar briga com os grandões (eu tinha um que comprava briga com kombis). Implica até com o dono. Se tomar banho, em menos de dois minutos volta todo sujo e com cara de “viu? eu te disse”. Não aceita coleira e vai sempre na frente... puxando o dono. Tem que aprender a correr para lhe acompanhar.

TOURO – come... e come... e come. Aqui a ração tem que ser tripla. Adora música e ficar olhando para lugares bonitos. Gosta de massagem e, às vezes, parece até um gato, tal a indolência. Mas é forte como um touro e também adora mostrar a força trocando a poltrona de lugar e, se der mole, até o piano. E como este é o signo do canto, não raras vezes será ouvido treinando bons e belos uivos para a lua cheia.
Obs.: não sei o signo do cachorro da Rita Lee, parece que o nome é Michael, cantor dos buenos.

GÊMEOS – sai por aí em passeios, fazendo amizade com todo o bairro. Todo mundo o conhece, e às vezes passa um tempo na casa de alguém. Parece até que tem três donos. Namorador pra mais de metro, volta e meia recebe visitas do sexo oposto, e, eclético, é visto freqüentemente em bando e relacionando-se até com gatos e outros espécimes. Amigo de todo mundo, ao contrário de muitos cães, facilita a vida de carteiros e até de ladrões...

CÂNCER – adora, com exagero, a família. Cuida de todos e não raro adota filhotes de outros cachorros e até de outros animais. Uiva seguidamente prá Lua, que é o seu planeta regente, e tem um humor variável. Às vezes, bom, noutras, intratável. Uiva também de solidão e desespero até quando o dono ausenta-se para ir ali, no super mercado. Ainda não temos dados científicos, mas desconfia-se que seja da família dos lobisomens.

LEÃO – aparece em concursos de cães, ou ficou famoso como Rin Tin Tin ou Lassie. É o cão mais lindo da vizinhança e fica assim na frente da casa fazendo pose e recebendo elogios de quem passa. Mas não é chegado a fazer festinha pra qualquer um. Ao contrário, pela pose, se der mole, quem acaba abanando o rabo é o próprio dono.

VIRGEM – esse é um cão limpinho. Lambe o próprio pelo e jamais suja a sua casinha. Sabe bem aonde enterrou o osso, e rosna se a ração não for a mais saudável. Detesta gente que teima em ficar lhe passando a mão. Jamais cheira qualquer um. Aliás, é o único cão que não só não cheira, como poderá morder aqueles cachorros (ou donos) não muito chegados a um banho.

LIBRA – está sempre namorando alguém, ou, como é pela justiça social, poderá ser visto acompanhando movimentos populares. Em época de eleição é visto com aqueles lencinhos amarrados no pescoço. Muitos, já ficaram famosos por participar de salvamentos. Por solidariedade, poderá ser visto acompanhando mendigos. E jamais compra briga com outro cão, é um pacifista.

ESCORPIÃO – você nunca sabe se ele vai lhe morder ou abanar o rabo. É bom você mostrar um pouco de humildade e não tentar fazer disputa pelo poder (porque, este, será sempre dele, é claro). Como tem uma incrível capacidade para achar objetos desaparecidos, volta e meia voltará com aquele seu chinelo que desapareceu inexplicavelmente em 94 ou com aquela bolsa que nunca mais foi vista.

SAGITÁRIO – grande e exagerado, alegre e otimista. Dos que te derrubam sempre quando te vêem, por puro amor (e peso, pois come como um animal). Em viagens, já está pronto, esperando no carro enquanto a família recém está acordando. Embora extrovertido e amigo de todos, às vezes tem uma implicância com um tipo específico de gente, como por exemplo: colorados, a tua sogra, o entregador de pizza...

CAPRICÓRNIO – é um cachorro útil e prático, eu diria até profissional, tipo aquele cachorro que guia cego, cuida de criança ou que resgata pessoas em situações de perigo. Este, ao contrário do cão sagitariano, não sai abanando o rabo pra qualquer um. Parece sempre mais velho do que é, pela aura de respeito e autoridade que apresenta. Pensa muito antes de sair latindo. Não raro, ao seu lado, encontra-se o dono, pedindo-lhe conselhos e ouvindo suas filosofias.

AQUÁRIO – um cachorro excêntrico e de vanguarda. Pode andar no meio de gatos; ter sido criado desde a mais tenra infância por camelos; se poodle, ter mania de correr atrás de bandido; e, se pit bull, querer ser cachorro de madame, com direito a salão de beleza e tudo. Comunitário, em geral é visto em bando.

PEIXES – esse, adora uma sessão de cinema e fica assim meio viajandão em centro espírita. É dos que lambe feridos. Nunca siga um cachorro desses pensando que ele vai achar o caminho. Ao contrário, ele te leva para conhecer caminhos que você nunca imaginou, mas... pensando bem... depois de andar por esses caminhos, jamais será o mesmo. Curte música transcendental e new age. Te olha com uma piedade que faz você começar a se perguntar: afinal, quem é o cachorro?

* - Cachorro, em gauchês.

sexta-feira, 14 de maio de 2010


Salve o Cachorro!

sábado, 1 de maio de 2010

Não deixe de acompanhar a e-novel Amor Certeiro (novo blog!) e Bercimella - história para crianças de todas as idades - links abaixo à direita. Leiam esses e-books de cima para baixo (primeiro post lá embaixo, para poder ficar por dentro da história).

Saudades... sempre.

Saudades... sempre.
texto mais abaixo/ leia ouvindo Amália Rodrigues

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ôôpsss

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ôôôpppsss...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
puxa...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
ainda...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Puxa, eu já vi esse filme...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
será?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Esse(s) é reprise... (ou o último dos irmãos Marx).

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
O espírito não morre?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ah!... agora, sim.