Loading...

Grenal, ora!

Grenal, ora!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Pessoas

Dizer o quê. Pra começar, vontade de oferecer algum tipo de consolo pró-ativo, tipo: provavelmente pela qualidade das pessoas, esse grupo foi chamado para a realização de alguma missão divina muito importante. Talvez o planeta precisasse. Mas para isso, seria necessário no mínimo que os que ficaram também acreditassem que o plano astral é até melhor do que este. Embora eu ame a Terra. Embora nem queira pensar num horror desses por perto.
Mas o que vejo é o Ser Humano ora extremamente auto-protetivo, se cercando de toda a segurança possível, deixando até de viver livremente e... por outro lado, não sei se uma certa saudade da selva naquele come-come-louco e salve-se quem puder diário, se arriscando a cada segundo.
Inalação de gases tóxicos, por exemplo. É bom nesse momento a gente aproveitar e entender de vez que o cigarro é assim, só que devagarinho, a crédito.

Música sertaneja e axé vanerão ou o que quer que seja esse tipo de horror, pra ser degustida parece precisar de fogos ou qualquer coisa, de tão ruim.
É um perigo por segundo, essa vida.
Até assistir ao bbb pode(?) comprometer algum neurônio.

Salto alto, que dificulta tudo, shortinho e tantas coisas que levam a vidas e situações tão medíocres. Carros com potência de pôr a correr gambás, sabiás, coelhos, cachorros... pra quê?

Tudo é pra que o ser humano se exiba no ter. Em volta da minha casa, cercas eletrônicas que chegam a formar filas. Pra defender o patrimônio. Pra matar gatinhos bobos.
Até que mate uma criança.
Se bem que se matar meu gato, vou sentir como se fosse.

Porque Joelma, Andraus, Renner, edifícios desse Brasil não têm aquelas escadas pelo lado de fora como Nova York? Vão dizer que é por causa dos ladrões.
Pois é, ladrões que vêm roubar o excesso de propriedades.
Porque ninguém precisa de tanto luxo, tanta ganância. A gente precisa de vida, de literatura, de cinema, de dança, que também pode ter um custo. Mas se este fosse o custo apenas, tava de bom tamanho. Pois a arte serve pra crescer, por dentro. E não pra aparecer.

E tem as cirurgias plásticas, algumas até bem vindas, outras, um exagêro. Se matar pra ficar com bunda grande e coxas de Garrincha?
Será que essa pessoa acredita tão pouco na sua capacidade de ser amada?

E assim a lista pode ir aumentando.
Tudo isso me deixa num desespero tremendo, pois jovens e crianças, além dos bichos, são o meu ponto fraco.
Crianças e jovens até crescerem e virarem mais uns babacas que poderão colocar a vaidade e a ganância, o ter, a exibição, na frente de tudo.

Sem querer apelar para humor terror, não vejo muita saída nesse país. Agora com todo esse incentivo ao consumo, ao carro, às telas de tv gigantescas, e nada ao livro, à boa música. Porque aqui, sem aqueles séculos e aquelas leis que nos diferenciam dos países mais evoluídos, o capitalismo fez um berço tão feio e macabro como a Cromagnon ou a Kiss pós-festa.

E muito me engano, ou não sei se o famoso "queremos justiça" vai adiantar alguma coisa, enquanto cada um de nós tiver a cabeça dos donos desses estabelecimentos, conforme o tema seja de nosso interesse ou não.

Antes de mudanças em leis, prisões de culpados, ou até depois mesmo, a ordem não altera nada, é bom que a gente mude alguma coisa em relação a esse valores que temos e que em conjunto acaba criando a sociedade que vivemos. E na qual queremos que VIVAM nossos descendentes.

Então, se forem formar alguma associação, quem sabe, que formem uma para que o Ser Humano se questione um pouco.

Senão, o que nos restará, sempre, será o velho e bom schadenfreude. Que para quem não sabe, significa a junção de duas palavras: prazer e dor. Prazer na dor alheia. Algo que garante que a nossa vida(?) pelo menos é, está, melhor do que a dos desgraçados da hora, seja lá a catástofre que for, e que libera uma quantidade considerável de dopamina. E, desnecessário dizer, usado e abusado pela imprensa preguiçosa, sensacionalista e inútil de todos os dias, pois garante sempre a audiência.
Em tempo, até agora, fora as escorregadas diárias e previsíveis de alguns programas, aplaudo o trabalho feito pela mídia de todo o país, com excelentes entrevistas elucidatórias e cobrantes.

E mais: há poucos dias, um desses laboratórios quase museu, que guarda uma considerável quantidade de espécies de animais foi incendiado (de novo), muitos morreram. Alguém se importou? Alguém se importa com os animais torturados em laboratórios de testes diariamente? Alguém se importa com as árvores que tombam diariamente pela ganância na nossa Amazônia? Não, porque árvores não falam, não gemem, não têm parentes que vão para as ruas.
O que quero dizer é: TUDO É PLANETA, TUDO É VIDA. Com o nosso descaso, porque não foi diretamente aqui que a coisa aconteceu, leia-se comigo, a gente parece que vai levando. E, na vida, tudo é lei de retorno. Sou filha e mãe desse planeta.







































3 comentários:

  1. "Então, se forem formar alguma associação, quem sabe formem uma para que o Ser Humano se questione um pouco."

    Amei.

    ResponderExcluir
  2. Lori, colega de ruivo, tem outro texto no A Mágica de Oz que talvez interesse. Obrigada pela visita e pelo comment.

    ResponderExcluir

Saudades... sempre.

Saudades... sempre.
texto mais abaixo/ leia ouvindo Amália Rodrigues

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ôôpsss

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ôôôpppsss...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
puxa...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
ainda...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Puxa, eu já vi esse filme...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
será?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Esse(s) é reprise... (ou o último dos irmãos Marx).

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
O espírito não morre?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
?...

Desfile Farroupilha

Desfile Farroupilha
Ah!... agora, sim.